Sunday, July 20, 2014

Guia de algumas espécies de pirilampos de Portugal

                                                              

Luciola lusitanica



A fêmea adulta é mais robusta que o macho, e apresenta os olhos menos desenvolvidos. Normalmente brilha (pisca) uma luz amarela no chão ou em cima de alguma planta/tronco, através de 3 órgãos luminosos.







O macho adulto normalmente pisca uma luz amarela, enquanto voa (através de 2 grandes órgãos luminosos) e tem os olhos bem desenvolvidos. Ambos os sexos têm o pronotum laranja e os élitros negros ou castanho-escuros.







A larva é geralmente castanha por cima, mais clara lateral e ventralmente, e brilha uma luz amarela atráves de 2 pontos luminosos no último segmento.










                                                       Lamprohiza mulsanti



A fêmea adulta de Lamprohiza mulsanti costuma de brilhar com uma luz contínua no chão ou em cima de algumas plantas e rochas. Apresenta cerca de 15 pontos luminosos (quantidade variável) ao longo do corpo e 2 luzes grandes e bem desenvolvidas nos últimos segmentos principais.








O macho adulto (no meio) tem élitros (e asas) bem desenvolvidos e voa.





A larva é castanho-escura dorsalmente e mais clara ventralmente.
Apresenta uma boa transparência na cutícula, para que as luzes sejam visíveis desde diferentes àngulos.
As luzes encontram-se distribuídas lateralmente ao longo do corpo.









                                                             

                                                                   Lamprohiza paulinoi




Lamprohiza paulinoi fêmea (em cima) e macho (em baixo) ambos adultos (autores das fotos: Fernando Romão e Mendes Matos, respetivamente).
Esta espécie presenta vários pontos luminosos (5-10) e 2 luzes grandes e bem desenvolvidas no sétimo e oitavo segmentos.




O macho tem élitros (e asas) bem desenvolvidos, voa e raramente se vê a brilhar (pode ser visto a voar com a luz sempre acesa).








A larva é castanho-escura dorsalmente e mais clara ventralmente
Apresenta alguma transparência na cutícula, para que as luzes sejam visíveis desde diferentes àngulos.
As luzes encontram-se distribuídas lateralmente ao longo do corpo.
Geralmente de maior tamanho que a L. mulsanti.









                                                                               Lampyris noctiluca




A fêmea adulta, não voa e normalmente brilha com uma luz contínua no solo ou em cima de plantas, rochas e troncos. Tem duas grandes  barras de luz no antepenúltimo e penúltimo segmento. 2 pontos de luz no último segmento.Tem tons castanhos escuros, mas pode ser rosada (lateralmente) quando tem uma constituição mais robusta.
A larva como podemos ver na fotografia acima (ao lado de uma fêmea adulta), é muito semelhante à larva de Lampyris iberica.

O Lampyris noctiluca macho adulto, normalmente apresenta um tom escuro uniforme.
Os élitros são uniformemente escuros.
O macho adulto, voa, tem grandes olhos, e brilha raramente (2 pontos de luz no último segmento).







                                                         Lampyris raymondi




A fêmea adulta de Lampyris raymondi (lado direito), não voa, e apresenta élitros vestigiais. As luzes desta espécie são idênticas às outras espécies do género Lampyris. 
O macho adulto (lado esquerdo), voa, tem grandes olhos, élitros rugosos e brilha raramente (2 pontos de luz no último segmento). Tem uma coloração semelhante ao macho de Lampyris iberica.. Ainda está para clarificar o estatuto desta espécie.





Larva de Lampyris raymondi (segundo a opinião de alguns investigadores). Em relação à Lampyris iberica e Lampyris noctiluca, apresenta dois pontos claros extra no pronoto, na parte frontal. Autor Hectonichus.







                                                        Lampyris iberica




Lampyris iberica: macho (acima) adulto normalmente apresenta 2 pontos claros no pronotum (capacete). Os bordos dos élitros são mais claros que o interior.

 O macho adulto, voa, tem grandes olhos, e brilha raramente (2 pontos de luz no último segmento).


   


  A fêmea adulta, não voa e normalmente brilha com uma luz contínua no solo ou em cima de plantas, rochas e troncos. Tem duas grandes  barras de luz no antepenúltimo e penúltimo segmento. Tem também 2 pontos claros, na base do pronotum («elmo» que protege a cabeça).
2 pontos de luz no último segmento.






Larva de Lampyris iberica. De côr negra na zona dorsal com pontos amarelos nas bordas inferiores dos segmentos corporais, e tons mais claros na zona ventral. Pode apresentar rosa, lateralmente.
Brilha através de dois pequenos órgãos luminosos, no último segmento. 









                                                       Nyctophila reichii





Nyctophila reichii: A fêmea adulta, de tons laranja e rosados, não voa e normalmente brilha com uma luz contínua no solo ou em cima de plantas, rochas e troncos. Têm geralmente duas grandes  barras de luz no antepenúltimo e penúltimo segmento, e 2 pontos de luz no último segmento.





O macho adulto, é algo semelhante aos machos do género Lampyris, mas normalmente de um castanho mais claro e o pronotum («capacete») tem um centro avermelhado com uma marca escura no meio.
O macho adulto, voa, tem grandes olhos, e brilha raramente, através de 2 pontos de luz.



Dorsalmente a larva apresenta uma côr escura, e lateralmente um tom rosa. Ventralmente os tons são mais claros e alternam entre rosa, branco e negro.
Brilho idêntico às larvas do género Lampyris, mas a posição dos órgãos é ligeiramente mais lateral.





                                                 

                                                Phosphaenus hemipterus

                                                                        





Macho adulto de Phosphaenus hemipterus.








Fêmea adulta de Phosphaenus hemipterus.

Espécie de pequeno tamanho (macho até 8 mm e fêmeas até 10 mm de comprimento), com hábitos diurnos, mas que mantém a capacidade de brilhar (através de um par de luzes verdes no último segmento).

Tanto machos, como fêmeas, não voam.





A larva de P. hemipterus, é pequena de formato estreito, escura em cima e de côr creme lateralmente. Brilha através de pulsares de luz verde, emitidos por 2 órgãos luminosos localizados junto à cauda.








                                                 Phosphaenopterus metzneri




O macho adulto tem um par de élitros mais desenvolvidos, do que o macho adulto de Phosphaenus hemipterus, espécie com a qual, mantém alguma proximidade física (não se sabe se os machos são voadores).
Ainda não se conhecem fotos de fêmeas adultas.
Espécie de pequeno tamanho, com hábitos diurnos, mas que mantém a capacidade de brilhar (através de um par de luzes verdes no último segmento).


A larva é semelhante à larva de Phosphaenus hemipterus e brilha de forma semelhante.
Fotos de Raphael de Cock.






                                              


                                              

                                                                  Pelania mauritanica




Foto encontrada de um macho adulto (segundo o autor). Não se conhecem fotos de fêmeas adultas ou larvas.
Espécie que aparentemente  tem uma distribuição bastante restrita ou apenas aparece em certos anos, no Sul do nosso país (presença irregular).
Larvas, machos e fêmeas adultos, possivelmente têm alguma semelhança física com os géneros Nyctophila e Lampyris. Diz-se que desovam dentro de formigueiros.





                                     




2 fêmeas adultas: a mais pequena e escura, é uma Lampyris iberica e a outra (mais clara com tons de rosados e alaranjados) é uma Nyctophila reichii.
Autor: Raphael de Cock.








Macho adulto de Lampyris noctiluca, ao lado de um macho adulto de Phosphaenus hemipterus (mais pequeno).








Eu e o Raphael de Cock produzimos o primeiro guia de pirilampos de Portugal (2006/2007), destinado a todo o tipo de público, pois uma das perguntas mais frequentes que tenho recebido ao longo dos anos, é como distinguir as espécies de pirilampos de Portugal...Eu ainda não sei quantas espécies existem no total, mas deixo aqui algumas notas simplificadas sobre as que conheço (pode clicar nas fotos para aumentar o detalhe). É um guia simplificado (pretendo colocar depois uma versão melhorada), mas parece-me que é o mais correto até agora. Qualquer dúvida, opinião ou reportagem de avistamento, envie-me uma mensagem para: livinglightfestival@gmail.com 

Mais detalhes sobre como, onde e quando encontrar pirilampos aqui .




9 comments:

Pleia Des said...

Obrigado!

Tânia Cardoso said...


Não estava à espera de tanta espécie...


Cresci a pensar que só haviam 1 ou 2 espécies de pirilampos em Portugal.

lightalive said...


É normal Tânia, várias pessoas já me disseram algo semelhante.

Rita Fernandes said...


Muito útil, obrigada.

lightalive said...

Foto enviada por Duarte Sousa (Loures) a 9 de Julho de 2014:

http://i.imgur.com/OGADk4I.jpg

lightalive said...
This comment has been removed by the author.
lightalive said...
This comment has been removed by the author.
lightalive said...


Enviado por Ricardo Melo (Ermesinde) a 10 de Julho de 2014:

«Aqui pela minha zona tem dezenas deles. Tenho-os observado praticamente todos os dias desde há cerca de dois meses.

Só não sei qual é a espécie. São pequenos e emitem luz a voar. Piscam. A luz é na extremidade e pequena.»

lightalive said...


Enviado por Nuno Cunha, a 11 de Julho de 2014:

«Em Óbidos juntam-se às dezenas durante em Junho (possivelmente época de acasalamento?) sendo bem visíveis ao anoitecer dos dias sem vento.

Resido na Lousã à 17 anos e ainda não tive o privilégio de ver aqui um (mas existem aqui também).

Também existe outra espécie que não voa e a luz é contínua, são também abundantes mas não se juntam (costumo pegar neles para mostrar ao miúdos e acho-os bem maiores que os primeiros e têm o abdómen quase todo iluminado, não apenas e ponta do rabo).

Apenas de referir que a presença de pirilampos (no período que emitem luz) é muito curta, apenas durante 2/3 semanas, sendo que existem dias que parecem existir por todo o lado (dias de pouco vento e humidade relativa baixa)»