Tuesday, December 11, 2018


Estamos já em Dezembro, mas alguns cogumelos  (Omphalotus olearius) ainda mantêm as suas capacidades luminosas (ainda que de forma reduzida), como se pode ver embaixo, em alguns exemplares que encontrei e que foram fotografados por Filipe Lopes.
Estes exemplares foram encontrados em Lisboa (em um dos espaços verdes da cidade).
Esta colónia tem sido monitorizada desde 2010 e este ano, foi descoberta uma extensão «extra» da mesma (mais para o interior da mata).
Alguns exemplares atingiam mais de 25 cm de diâmetro.
Os cogumelos desta colónia, possivelmente atingiram  (durante este outono) o auge das suas faculdades luminosas, algures entre 8 e 20 de Novembro.






A crescer debaixo de um folhado (Viburnum tinus)


                       
                             Uma foto que eu tirei a alguns exemplares desta colónia em 2016                                                        (aqui estavam numa fase mais luminosa, mas ainda fora do auge):



                             

Wednesday, November 21, 2018

O resgate dos pirilampos (parte 1)


Este ano, resgatei alguns pirilampos de diferentes espécies da zona de Sintra, de Óbidos e da Ajuda, que estavam numa situação bastante difícil, a tentar atrair o/a parceiro/a, sem sucesso, debaixo de iluminação artificial!

Cheguei a ver aglomerações de fêmeas de Lampyris iberica debaixo de um candeeiro, numa pequena aldeia localizada nos arredores da Serra da Carregueira, e que apesar de ser um espetáculo muito belo, não deixa de ser uma indicação de que algo está errado ou que provavelmente existe um excesso (e desperdício) de luz artificial... Isto quando os machos, nas redondezas (em locais mais escuros) estavam plenamente ativos (confirmação feita através do uso de armadilhas luminosas).
Fêmeas adultas de Luciola lusitanica e de Lamprohiza paulinoi, também foram encontradas a brilhar debaixo de alguns candeeiros.



Demasiada luz para esta fêmea de Nyctophila reichii



Na Ajuda, encontrei fêmeas de Nyctophila reichii, a brilhar dentro de caixotes de lixo de um jardim (felizmente ainda vazios), talvez porque ali encontrassem um ambiente mais escuro e abrigado...
 Mas algumas também foram encontradas em zonas «inundadas» de luz artificial.
Por sua vez, as armadilhas de luz confirmaram a ausência de machos no local e a sua presença em zonas próximas mais escuras.

E porque algumas fêmeas vão brilhar para estes sítios? 
Porque as larvas das fêmeas procuram zonas ricas em caracóis, mas também com boa visibilidade, basicamente zonas abertas (para que os machos depois tenham mais facilidade em ver a sua luz desde grandes distâncias) e nesse processo algumas larvas são algo insensíveis à questão da luz artificial (pois as larvas têm um sistema visual pouco desenvolvido). 
As larvas podem inclusivamente ser observadas a procurar minuciosamente, por um local adequado para se transformarem em pupa (e caso consigam lograr o acasalamento, desovar) durante várias noites e dias (expondo-se por vezes à luz do dia).


                             
Larva de N. reichii à procura de um lugar para pupar



Quando finalmente encontram um sítio apropriado, iniciam a fase de pupa. Quando esta fase termina, as fêmeas adultas que emergem, neste caso, deparam-se de repente com um ambiente inóspito, e por vezes, tentam encontrar recantos escuros (umas mais, outras menos, pois algumas, tal como já referimos, são vistas a brilhar em zonas muito iluminadas por candeeiros). 
Enquanto uma larva pode andar várias dezenas (ou se calhar até centenas) de metros, a fêmea adulta, por sua vez, normalmente só se move uns centimetros, a partir do momento em que finalmente acaba a fase de pupa, aspeto esse, que neste caso, a deixa bastante vulnerável. 
Uma fêmea pode ser vista a brilhar durante várias noites praticamente no mesmo local... 
Já as larvas, por vezes, são vistas a brilhar em locais bem distintos, mesmo passados poucos minutos.

                                   

Luz de uma larva de Lamprohiza sp. (Norte de Portugal)

                           


Deslocar as fêmeas para as zonas de atividade dos machos, com raras exceções, é a meu ver impraticável, pois as fêmeas  escolhem o seu local de desova praticamente ao centímetro (mas fazem-no quando são ainda larvas) e sem as adaptações apropriadas, ficariam assim expostas, desorientadas e passariam imenso tempo à procura novamente de um lugar para desovar. Com o desespero de quererem pôr ovos, poderiam ser levadas a pôr os ovos em locais pouco adequados.
Juntei portanto as fêmeas desorientadas com os machos locais e consegui obter ovos e larvas. 
Os machos foram largados de novo na natureza, assim que a fecundação se considerou assegurada, pois assim podiam encontrar e cobrir outras fêmeas.

                                             
Fêmea de Lampyris iberica com ovos não fecundados 
(João Luis Teixeira)



Posso dizer, que é um processo muito complicado a manutenção de pirilampos em cativeiro, sobretudo quando as larvas nascem e nos meses seguintes, porque têm poucos milímetros e são muito sensíveis a vários fatores.
São precisas horas, várias horas e muita paciência! 
E até pode acontecer que machos e fêmeas, se recusem a acasalar, sem qualquer razão aparente...
Os pirilampos têm a reputação de ser quase impossíveis de manter em cativeiro, e eu acho que existe uma boa dose de verdade nisso.
Por alguma razão, estas espécies sensíveis, são muitas vezes usadas como biondicadores.
Mas antes de tomar a decisão de intervir, contactei o ICNF, do qual felizmente obtive autorização para manter estas espécies de pirilampo em cativeiro (desde que não as capturasse em zonas com algum estatuto de proteção).



Larvas de Lampyris iberica que serão soltas na zona de Sintra


Aproveitei esta oportunidade, também para completar a minha base de dados, sobre as fases larvares de algumas espécies de pirilampos.
Contudo, as larvas apenas serão mantidas em cativeiro temporariamente, pois tenciono soltar as larvas, processo que já foi iniciado este Outono em Óbidos e que entretanto vai-se estender naturalmente a Sintra e à Ajuda.
As zonas de solta, apresentam um habitat mais propício para estas espécies (do que os locais onde foram encontradas as fêmeas adultas) e algumas variedades locais de árvores autótones, serão semeadas também nestas 3 zonas.
A ajudar o projeto Lightalive na ação ecológica, que irá decorrer em Novembro perto da Serra da Carregueira, estará um grupo de crianças e respetivos pais!



                                                                
                             Mais fotos de larvas de pirilampo resultantes deste resgate:



Larvas de Nyctophila reichii



Larvas de Lampyris iberica



Diferença de tamanho entre larvas «irmãs»



Larvas de Nyctophila reichii



 Uma das primeiras libertações (zona de Óbidos)



Larvas de Lamprohiza paulinoi após a primeira muda



Larvas de Luciola lusitanica após a primeira muda



Larvas de Lampyris iberica



Larvas de Luciola lusitanica (Óbidos)



Larvas de Luciola lusitanica pouco antes de ser soltas.


Locais onde foram encontrados pirilampos a brilhar debaixo de candeeiros de iluminação pública (primeiro local de intervenção (arredores da Serra da Carregueira)):










                                                           Segunda localidade (Ajuda):







                                                                       



                                         Terceira zona de intervenção (arredores de Óbidos):














Tuesday, November 13, 2018

À procura dos pirilampos da Mata Pequena e da Biovilla...


Este ano, o projeto Lightalive, realizou várias saídas de campo para a observação de seres bioluminescentes. Queriamos dar ênfase a duas: Mata Pequena e Biovilla.

Na Mata Pequena, foram organizadas 2 saídas de campo noturnas, tanto no dia 19, como no dia 25 de Maio.
Foi realizada uma apresentação subordinada ao tema da bioluminescência (distribuição, ecologia e conservação) assim como sobre os seres luminosos da Mata Pequena (em ambas as datas e antes das voltas propriamente ditas).
No dia 19 de Maio participaram sobretudo, crianças e os seus respetivos encarregados de educação e no dia 25 de Maio compareceram apenas adultos... 
Os percursos foram realizados calmamente e os tão falados pirilampos não faltaram ao encontro, assim como uma maravilhosa lua que tornou a caminhada noturna mais fácil, ainda que reduzisse a visibilidade dos ditos insetos luminosos. 
Não queríamos deixar de mencionar, que as crianças, no geral, foram as que melhor se comportaram! 
No final das caminhadas, uma ceia foi oferecida aos participantes.








                                               
                               
Já agora, uma vista de olhos, pelo já visitado Penedo do Lexim: 





https://greentrekker.pt/



Dia 19: Alguns pirilampos e a lua (José Valério)






Elegemos também a volta noturna na Biovilla (23 de Junho), em Palmela, porque foi o evento surpresa deste ano! Isto porque vários participantes inesperados compareceram à ultima da hora (inclusivamente pessoas oriundas de outros países) e porque este projeto agroturístico, aceitou o nosso convite em fazer parte da nossa Rede de Reservas Lightalive. 
É motivo de grande orgulho para nós que uma reserva Lightalive se situe na Serra da Arrábida.
A volta foi leve, interessante, alegre e no fim tanto os mais crescidos, como os mais pequenos, ficaram muito satisfeitos com o que viram e ouviram. 
Os pirilampos apareceram mais tarde do que costume, tanto que ao início quase todos os participantes chegaram a pensar que não se ia ver nada, mas depois lá apareceram e acabou por ser um acontecimento inesperado e mágico.
Um excelente local também para a observação astronómica, tal a escuridão observada no local (bem mais abrigado da influência de luzes artificiais, que outras zonas em redor).




Cartaz do evento com um dos protagonistas



Um local aprazível:












2 grandes investigadores à lupa...



São alguns os investigadores, que embora estudem sobretudo seres não bioluminescentes, nos enviam regularmente informações sobre os encontros fortuitos que têm com os pirilampos. Dois dos quais, que já há alguns anos colaboram com o nosso projecto, concordaram em revelar a sua identidade:



Virgínia Duro residente em Braga, é bióloga e tem participado em diversas monitorizações e estudos de impacte ambiental sobre morcegos, particularmente na região Trás-os-Montes e Alto Douro, mas também em outras partes do país, como o Minho.
Desde 2011 que nos envia informações detalhadas sobre os pirilampos que encontra nas longas noites passadas no campo.
Aqui vão 2 fotos de sua autoria:


Machos de Lamprohiza sp. (2014)



Larva de Lampyris sp. (Braga, 2012)



Luis Guilherme Sousa, residente em Erra (Coruche) é um investigador da área da Biologia da Conservação, que quando tem oportunidade,  dedica-se ao acompanhamento de uma população local de Lampirídeos (que faz parte da rede de Reservas Lightalive (Quinta do Roseiral)) e que desde 2013, por vezes, nos envia informações sobre este núcleo de insetos luminosos (que conta com 6 espécies de pirilampos).
Luís, tem-se dedicado sobretudo a conservar espécies de anfíbios, branquiópodes e plantas carnívoras, que ocorrem na região (encontrando-se a maioria numa situação vulnerável de conservação, e sendo uma delas uma nova espécie para Portugal).


Salamandras...

Triops cancriformis

Larvas de Lamprohiza paulinoi e Luciola lusitanica...




Wednesday, July 04, 2018

Perto de Leiria...



                                                                       Junho 2018



Monday, July 02, 2018

Algumas fotos tiradas em Reservas Lightalive (2018)



Desde a Reserva Lightalive «O templo das aves canoras», foi-nos enviada esta fotografia (Maio, 2018):

Larva de Lampyris iberica




Desde a Reserva Lightalive «Quinta de Lagos», foram-nos enviadas estas fotografias (Junho, 2018):






Macho adulto de Nyctophila reichii





Desde a Reserva Lightalive «Quinta de Óbidos», foi conseguida esta fotografia (Junho, 2018):


                                                                  Luciola lusitanica





           Desde a Reserva Lightalive «Quintinha de Paços de Ferreira» recebemos estas fotografias:


                                           Fêmea adulta de Lampyris sp. (Junho, 2018).


                                     
                                           Fêmea adulta de Lampyris sp. (Agosto, 2018).




Tuesday, May 22, 2018

Notícias internacionais




Este vídeo sobre a conservação dos pirilampos em Taiwan, recebeu o Gold Remi Award no WorldFest-Houston International Film Festival : Flight of the Fireflies-2018 



Monday, May 21, 2018

Já viu algum ser vivo luminoso?




Tenho recebido muitas descrições de avistamentos de vaga lumes e de outros seres bioluminescentes. Mas relanço aqui o assunto (para o corrente ano de 2018)...
Quem tiver visto alguma coisa  e quiser partilhar o seu achado,  tente, se possível, responder às seguintes questões:
1- Local e hora do avistamento (o mais pormenorizado que poder indicar, melhor).
2- Condições atmosféricas (se estava a chover, húmido, seco, temperaturas (aproximadamente)...)
3- Condições de luminosidade do local (se tinha iluminação artificial perto, longe ou nenhuma, se sim de que côr era a luz).
4-Que tipo de luminosidade (produzida pelo ser vivo) foi avistada? Qual a côr? Piscava ou mantinha-se sempe acesa? Apresentava pulsares?
5- Quantos seres luminosos (aproximadamente) viu a produzirem luz?
6- Em que habitat estava o ser luminoso (floresta, campo aberto, berma de caminho, praia, mar, etc...)? 
7- Por fim diga-nos o que é que o ser luminoso estava a fazer (a comer, a acasalar, a descansar, a andar, a nadar, a voar, etc...)?

As suas informações são muito importantes, pois geralmente muito pouco se sabe sobre estes seres misteriosos. 
Pode também dar um relato mais sintético sem responder a algumas das questões. 
Em muitos locais do mundo se assiste a diminuição notória do número das espécies luminosas e assim se vai perdendo um dos maiores espetáculos da natureza...
 Mas ainda estamos a tempo de inverter essa tendência!

Para saber mais detalhes sobre o que poderá estar a encontrar, pode consultar livremente o nosso guia sobre os pirilampos de Portugal e mais algumas formas de bioluminescência em Portugal (que foram publicados já em Julho de 2014) emBioluminescência terrestre em PortugalGuia dos pirilampos de Portugal e Bioluminescência marinha em Portugal.
Também estamos ao dispôr para esclarecer qualquer dúvida sobre bioluminescência ou sobre saídas de campo para a observação de seres luminosos.
Envie as questões/informações de preferência por email para: livinglightfestival@gmail.com
 Ou então pode deixar a sua mensagem nos comentários (embaixo).

Obrigado!!