Tuesday, May 29, 2012

Bioluminescência no género Armillaria



É a primeira vez que vejo em vídeo como estes fungos brilham:


http://www.youtube.com/watch?v=B3-UrZzm-s4&feature=relmfu




Visita guiada de campo foi um sucesso



No dia 22 de Maio, coordenei (tecnicamente) uma visita de campo para ver pirilampos, nas áreas verdes de Lisboa (numa iniciativa levada a cabo pela Câmara Municipal de Lisboa).

Foi bom, não só porque vimos muitos vaga lumes, mas também porque vieram tanto pais como filhos, o que acabou por dar um ambiente ainda mais alegre e divertido, à caminhada.

Fica aqui um testemunho: 

«Pode-se dizer que era um tiro no escuro mas que era capaz de prometer, pelo menos porque era a primeira vez que o ia fazer - ir ao Monsanto à noite.
Para algumas alminhas que lerão isto, só lerão isto - "Monsanto à noite", talvez porque coitados... não estarão habituados a outra coisa mas garanto que é muito mais do que isso.

O Centro de Interpretação do Monsanto fez uma visita guiada de noite por uma das zonas protegidas e esta com o propósito de dar a conhecer a biodiversidade que lá existe e... os pirilampos. A principio quando soube desta possibilidade e mesmo durante o telefonema de marcação só pensava em que seria uma oportunidade de fazer algo de diferente da rotina diária. E foi. Momentos houve em que me senti novamente uma criança, tal pensava eu, a surrealidade de tudo aquilo que afinal, teve tudo de real. Bonito. Giro. Giro e bonito. Foi de noite e foi mesmo pedido para que ninguém utilizasse lanternas ou outros focos de luz, e o mais engraçado foi que nesse preciso momento, uma criança deixou cair a lanterna que tinha debaixo da camisola, e toda a gente riu. O objectivo era passar pelos trilhos no escuro e ter a oportunidade de ver os pirilampos.
Parvoice, poder-se-á pensar! Mas não, não foi nenhuma parvoice.
Independentemente do percurso ter sido pequeno, nada disso veio ao de cimo assim que começaram a aparecer os ditos pirilampos, num bailado por entre as plantas, por dentro delas e por cima, ao longe e mesmo ao pertinho; e por mais incrivel que possa parecer, também nas mãos e pontas dos dedos de algumas pessoas!
Fomos dar a um lago numa clareira onde se podiam ouvir "os cânticos da noite", uma algarviada de sons de sapos, râs, grilos e afins, tudo iluminado pelas luzes da cidade e os "intermitentes" dos pirilampos. Adorei.
Támbém é possivel efectuar a a visita durante o dia. Mas esta, de noite ficará na memória, de certo!»

http://pitredbull.blogspot.pt/2012/05/noite-com-os-pirilampos.html
 

Wednesday, May 23, 2012

Luzes nas cavernas



                                           
                                            Kenta Hirayama, Austrália

                        
              
Surpreendemente (as luzes azuis) são produzidas por  larvas da Ordem Diptera, estando por isso, mais próximas das moscas do que dos pirilampos propriamente ditos.
Em Portugal, muito provavelmente, existem espécies de dípteros bioluminescentes, mas que ainda não foram estudadas (do género Orfelia e Keroplatus, por exemplo).