Tuesday, November 13, 2018

À procura dos pirilampos da Mata Pequena e da Biovilla...


Este ano, o projeto Lightalive, realizou várias saídas de campo para a observação de seres bioluminescentes. Queriamos dar ênfase a duas: Mata Pequena e Biovilla.

Na Mata Pequena, houveram saídas de campo noturnas, tanto no dia 19, como no dia 25 de Maio.
Foi realizada uma apresentação subordinada ao tema da bioluminescência (distribuição, ecologia e conservação) assim como sobre os seres luminosos da Mata Pequena (em ambas as datas e antes das voltas propriamente ditas).
No dia 19 de Maio participaram sobretudo, crianças e os seus respetivos encarregados de educação e no dia 25 de Maio compareceram apenas adultos... Os percursos foram realizados calmamente e os tão falados pirilampos não faltaram ao encontro, assim como uma maravilhosa lua que tornou a caminhada noturna mais fácil, ainda que reduzisse a visibilidade dos ditos insetos luminosos. Não queríamos deixar de mencionar, que as crianças, no geral, foram as que melhor se comportaram! 
No final das caminhadas, uma ceia foi oferecida aos participantes.



                                                  O entorno da Aldeia da Mata Pequena


                               
Dia 19: Alguns pirilampos e a lua (José Valério)




Elegemos também a volta noturna na Biovilla (23 de Junho), porque foi o evento surpresa deste ano! Vários participantes inesperados compareceram à ultima da hora (inclusivamente pessoas oriundas de outros países) e porque este projeto agroturístico, aceitou o nosso convite em fazer parte da nossa Rede de Reservas Lightalive. É motivo de grande orgulho para nós que uma reserva Lightalive se situe na Serra da Arrábida.
A volta foi leve, interessante, alegre e no fim tanto os mais crescidos, como os mais pequenos, ficaram muito satisfeitos com o que viram e ouviram. Os pirilampos apareceram mais tarde do que costume, tanto que ao início quase todos os participantes chegaram a pensar que não se ia ver nada, mas depois lá apareceram e acabou por ser um acontecimento inesperado e mágico.
Um excelente local também para a observação astronómica, tal a escuridão observada no local (bem mais abrigado da influência de luzes artificiais, que outras zonas em redor).




Cartaz do evento com um dos protagonistas



Um local aprazível









2 grandes investigadores à lupa...



São alguns os investigadores, que embora estudem sobretudo seres não bioluminescentes, nos enviam regularmente informações sobre os encontros fortuitos que têm com os pirilampos. Dois dos quais, que já há alguns anos colaboram com o nosso projecto, concordaram em revelar a sua identidade:



Virgínia Duro residente em Braga, é bióloga e tem participado em diversas monitorizações e estudos de impacte ambiental sobre morcegos, particularmente na região Trás-os-Montes e Alto Douro, mas também em outras partes do país, como o Minho.
Desde 2011 que nos envia informações detalhadas sobre os pirilampos que encontra nas longas noites passadas no campo.
Aqui vão 2 fotos de sua autoria:


Machos de Lamprohiza sp. (2014)



Larva de Lampyris sp. (Braga, 2012)



Luis Guilherme Sousa, residente em Erra (Coruche) é um investigador da área da Biologia da Conservação, que quando tem oportunidade,  dedica-se ao acompanhamento de uma população local de Lampirídeos (que faz parte da rede de Reservas Lightalive (Quinta do Roseiral)) e que desde 2013, por vezes, nos envia informações sobre este núcleo de insetos luminosos (que conta com 6 espécies de pirilampos).
Luís, tem-se dedicado sobretudo a conservar espécies de anfíbios, branquiópodes e plantas carnívoras, que ocorrem na região (encontrando-se a maioria numa situação vulnerável de conservação, e sendo uma delas uma nova espécie para Portugal).


Salamandras...

Triops sp.

Larvas de Lamprohiza paulinoi e Luciola lusitanica...




Wednesday, July 04, 2018

Perto de Leiria...



                                                                       Junho 2018



Monday, July 02, 2018

Algumas fotos tiradas em Reservas Lightalive (2018)



Desde a Reserva Lightalive «O templo das aves canoras», foi-nos enviada esta fotografia (Maio, 2018):

Larva de Lampyris iberica




Desde a Reserva Lightalive «Quinta de Lagos», foram-nos enviadas estas fotografias (Junho, 2018):






Macho adulto de Nyctophila reichii





Desde a Reserva Lightalive «Quinta de Óbidos», foi conseguida esta fotografia (Junho, 2018):


                                                                  Luciola lusitanica





           Desde a Reserva Lightalive «Quintinha de Paços de Ferreira» recebemos estas fotografias:


                                           Fêmea adulta de Lampyris sp. (Junho, 2018).


                                     
                                           Fêmea adulta de Lampyris sp. (Agosto, 2018).




Tuesday, May 22, 2018

Notícias internacionais




Este vídeo sobre a conservação dos pirilampos em Taiwan, recebeu o Gold Remi Award no WorldFest-Houston International Film Festival : Flight of the Fireflies-2018 



Monday, May 21, 2018

Já viu algum ser vivo luminoso?




Tenho recebido muitas descrições de avistamentos de vaga lumes e de outros seres bioluminescentes. Mas relanço aqui o assunto (para o corrente ano de 2018)...
Quem tiver visto alguma coisa  e quiser partilhar o seu achado,  tente, se possível, responder às seguintes questões:
1- Local e hora do avistamento (o mais pormenorizado que poder indicar, melhor).
2- Condições atmosféricas (se estava a chover, húmido, seco, temperaturas (aproximadamente)...)
3- Condições de luminosidade do local (se tinha iluminação artificial perto, longe ou nenhuma, se sim de que côr era a luz).
4-Que tipo de luminosidade (produzida pelo ser vivo) foi avistada? Qual a côr? Piscava ou mantinha-se sempe acesa? Apresentava pulsares?
5- Quantos seres luminosos (aproximadamente) viu a produzirem luz?
6- Em que habitat estava o ser luminoso (floresta, campo aberto, berma de caminho, praia, mar, etc...)? 
7- Por fim diga-nos o que é que o ser luminoso estava a fazer (a comer, a acasalar, a descansar, a andar, a nadar, a voar, etc...)?

As suas informações são muito importantes, pois geralmente muito pouco se sabe sobre estes seres misteriosos. 
Pode também dar um relato mais sintético sem responder a algumas das questões. 
Em muitos locais do mundo se assiste a diminuição notória do número das espécies luminosas e assim se vai perdendo um dos maiores espetáculos da natureza...
 Mas ainda estamos a tempo de inverter essa tendência!

Para saber mais detalhes sobre o que poderá estar a encontrar, pode consultar livremente o nosso guia sobre os pirilampos de Portugal e mais algumas formas de bioluminescência em Portugal (que foram publicados já em Julho de 2014) emBioluminescência terrestre em PortugalGuia dos pirilampos de Portugal e Bioluminescência marinha em Portugal.
Também estamos ao dispôr para esclarecer qualquer dúvida sobre bioluminescência ou sobre saídas de campo para a observação de seres luminosos.
Envie as questões/informações de preferência por email para: livinglightfestival@gmail.com
 Ou então pode deixar a sua mensagem nos comentários (embaixo).

Obrigado!!








Friday, May 04, 2018

Mais fotos de Luciola lusitanica








                     Na Península de Setúbal, Nuno Cabrita, conseguiu estas fotos espetaculares.




Tuesday, April 10, 2018

Já apareceram!



No passado dia 2 de Abril, foram observados os primeiros pirilampos adultos de 2018 (uma fêmea de Luciola lusitanica e uma fêmea de Lamprohiza paulinoi), na freguesia (bairro) lisboeta de S. Francisco de Xavier.




                                                       Luciola lusitanica (Luís Gabriel)